terça-feira, 22 de julho de 2014

Hospedeiro do Diabo

 


Quem já não assistiu a algum filme onde mulheres ou mesmo homens se tornam hospedeiros de seres alienígenas?

É exatamente assim que quando somos canal da desgraça é que nos tornamos hospedeiros de Satanás!

Naquela confusão em que insistimos não ceder...

Naquela situação que enfrentamos com nossa teimosia, achando que a verdade está em nós...

No apego de nossa vaidade...

Na insistência de não acreditar que o outro, de fato, está nos falando a verdade...

De querer que somente o nosso modo de ver seja a melhor saída...

Que as nossas soluções são as mais apropriadas...

Quando não queremos colaborar...

Unimo-nos a outros com o objetivo de destruir alguém...

Sabemos que as aparências estão evidentes, mas acreditar que não, nos é conveniente...

Olhar para o outro com pré-juízos...

Duvidar da consciência alheia...

Usar o outro como objeto...

Puxar o tapete de um irmão...

Tramar contra as pessoas...

Difamar alguém com o que achamos a seu respeito, como se isso fosse consenso entre todos...

Enfim, poderia ficar aqui elencando inúmeros outros exemplos, mas não preciso, pois sei que o leitor já captou a mensagem.

Exatamente! Não estaremos nós, neste exato momento, sendo hospedeiros do Diabo?

Paremos, pensemos, analisemos e peçamos discernimento a Deus em oração.

Contudo, só tem um modo de expurgar Satanás de nós - caso tenhamos entendido que nos tornamos seu hospedeiro-: com a humildade!

Sejamos humildes e façamos esta profunda reflexão:

Deus está no comando, ou eu estou querendo comandar?

O Diabo aguarda essa nossa resposta com verdadeira devoção!

Deus nos livre disso!
 
Amém.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Todo império cai...





Quem já não estudou em história geral a queda dos impérios ao longo da construção da civilização que hoje conhecemos?
Vamos recordar um pouco...
Temos como exemplos começando lá na antiguidade: os Romanos, os Gregos, os Cartagineses, os Egípcios, o oriente próximo, o oriente médio; as civilizações da América Central: os Maias, Astecas e Incas, China e Japão e nos nossos dias a Alemanha e a Itália já passaram por isso também.
Um império não se constrói apenas com dinheiro, mas, também, com poder, fama, informação (veja-se a rede Al Jazeera, por exemplo), enfim, também se constrói impérios no mundo do esporte; em particular, no mundo do futebol.
Ao que me parece o nosso Brasil se tornou um império aos olhos do mundo. Então... tivemos que experimentar a queda. E queda é assim: não se cai disfarçadamente e olha-se para um lado e para o outro para verificar se ninguém viu... Impérios quando caem despencam e vai até o nível do solo; até o chão!
Mas, graças a Deus, o chão é o limite! Se a queda faz parte do processo, a humildade é o único instrumento que consegue levantar o gigante que caiu!
David Luiz nos proporcionou um belíssimo exemplo de humildade quando pediu ao estádio que aplaudisse James Rodriguez, seu adversário derrotado naquele momento em que o Brasil experimentava aparente vitória...
Então, agora, é só recomeçar. Mas, não há recomeço salutar se não houver paciência suficiente para se experimentar tudo o que advém consequentemente da queda: a vaia dos que ainda não experimentaram o que é cair, o desprezo de quem ainda não sabe ser solidário, a desconfiança dos outros que sempre esperam e nada dão, o bullying dos que se acham maioria e melhores em todos os sentidos, a gozação dos que não percebem a dimensão ética das relações interpessoais e grupais; enfim, há que se ter paciência para suportar e suplantar essas adversidades conseqüentes e “dar a volta por cima”.
Mas quando chegar lá novamente, mostrar que aprendeu com a lição e poder dizer: sabemos ganhar, mas, também, com a mesma dignidade, sabemos perder.
Bola pra frente, meu querido Brasil!
Eu sou um dos que ainda acredita em você!
Deus abençoe sua jornada, mas não construam um império, pois estes são construídos pelo homem; construam, sim, uma fortaleza, essa Deus ajuda a ser levantada! E nada a derruba!
Amém!